A tradição da safira em anéis de noivado

Paixão, codinome safira, parodiando o ex-presidente Tancredo Neves (“Liberdade é o outro nome de Minas”). A mulher reverencia o diamante, claro, mas a cada dia a safira está roubando a cena e conquistando as noivas, que veem nos anéis e alianças de safira uma joia diferenciada, especial, e impregnada de paixão.

O azul profundo da safira transmite uma sensação de aveludamento e aconchego, principais pilares do amor,  de um casamento feliz. A pedra simboliza ainda lealdade, companheirismo, fidelidade.

E foram esses atributos que levaram a safira a ornamentar fulgurantes anéis de noivado, dados de presentes por grandes nomes da História. Napoleão Bonaparte, em 1796, escolheu a safira para incrustar o anel que deu à imperatriz Josefine.

Detalhe: no estojo do anel, que tinha também um diamante,  a inscrição “toi et moi” (você e eu), sinalizando que uma pedra representava Josefina, e a outra Napoleão.

A realeza atual não abre mão também da safira. Ladi Di, que teve morte trágica, quando ficou noiva do príncipe Charles ganhou um magnífico anel com 14 diamantes e uma fantástica safira azul de 12 quilates.

3 meses ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *